Nome: Cavala Wahoo, conhecida também como cavala-aipim, cavala da índia, carapicu ou somente wahoo
Nome científico: Acanthocybium solandri

Família: Scombridae


Características: chega a atingir 2 metros de comprimento e 80 Kg de peso, porém a média fica entre 10 kg e 30 kg dependendo da região em que se encontra. Tem o corpo fusiforme, alongado e ligeiramente comprimido todo revestido por escamas bem pequenas, quase imperceptíveis, e listras verticais mais escuras sobre as laterais do corpo de coloração azulada lembrando um tigre, característica que muitas vezes não é encontrada nos indivíduos maiores, e uma linha lateral bem marcada. Com focinho longo, cônico e pontudo e cabeça pontiaguda, seus maxilares marcantes formam um “bico” que podem ser movimentados como uma tesoura, pois a maxila superior é móvel. Seus dentes são proeminentes, serrilhados, enfileirados, contínuos, bem afiados e fortes. Apresenta duas nadadeiras dorsais ligeiramente separadas e três quilhas no pedúnculo caudal. A nadadeira caudal é bem furcada e as barbatanas são pequenas.


Hábitos: realiza migrações sazonais geralmente sozinhos ou com aproximadamente 10 indivíduos, quando mais nova costuma formar cardumes maiores se agrupando na superfície. Após os quatro anos de idade, quando já está com tamanho acima de 50 cm, costuma formar grupos e migrar para regiões onde o verão ainda predomina. Pode desovar durante todo o ano depositando em cada uma delas milhões de ovos. Predadora, a cavala se alimenta muito de lulas, além de atuns, peixes voadores, baiacus, sardinhas, manjubas e outras espécies menores.


Curiosidades: Apesar de seu grande porte, é um dos peixes mais rápidos do mar e do mundo graças ao seu corpo com um formato extremamente “aerodinâmico” que possibilita atingir velocidades altíssimas bem próximas de 80 Km/h – marca provavelmente nunca alcançada por quaisquer outros peixes desse porte, o que contribui para a sua reputação de um dos grandes predadores dos mares. Geralmente é bastante solitária mas extremamente voraz. Quando capta a presença de alimento se move rapidamente em sua direção e seu primeiro arranque é tão violento que atinge a velocidade máxima em menos de um segundo. Costuma ferir sua vítima primeiro para depois retornar e com mais calma devorar os que ficaram feridos.


Onde encontrar: é uma espécie oceânica que migra parcialmente, preferindo águas tropicas em todo o Pacífico e Atlântico, e está presente nas zonas tropicais e subtropicais. No Brasil habita todo o litoral, desde o Amapá até Santa Catarina, e costuma ser mais abundante na chegada do verão, principalmente no nordeste, freqüentando os costões rochosos e regiões de mar aberto não muito distantes da costa


Dica para pescá-lo: Por ser pouco abundante, é encontrada perto da superfície e também em médias profundidades. Solitária ou em cardumes, permanece perto de plataformas, sargaços, naufrágios, recifes, à volta de detritos de superfície ou próxima a topos submersos onde se encontra maior concentração de pequenos peixes, mas também são vistos em alto mar.